Sou Compliance Officer

Sou Compliance Officer o personagem central do programa de compliance.

No post desta semana, o tema abordado é Sou Compliance Officer.

Neste tema Sou Compliance Officer será debatido:

  1. Sou Compliance Officer – o conceito;
  2. O perfil do Sou Compliance Officer;
  3. As atribuições do profissional; e
  4. Bem como os desafios da carreira.

Os leitores devem ainda conferir no Blog o post Compliance Trabalhista ou Programa de Integridade e baixar o e-Book:

Em seguida, acesse o post a respeito de Compliance passo a passo.

Sou Compliance Officer – o conceito

Afinal, o que é Compliance Officer?

Então, o Compliance Officer é o funcionário contratado para ser o responsável pelo departamento de compliance ou comitê de ética na empresa.

Além disso, ainda deve conduzir os trabalhos de execução, acompanhamento, monitoramento e investigação interna do Programa de Compliance.

Ao passo, que sempre deve garantir um programa constantemente atualizado e efetivo.

Como deve atuar um Compliance Officer?

Entretanto, apesar de o Compliance Officer ser um profissional multifacetado, ele deve buscar ajuda e o apoio de um colaborador por departamento na empresa.

Assim, estes colaboradores são chamados de “multiplicadores ou embaixadores”.

Portanto, o Compliance Officer nunca atua sozinho devendo chamar os demais colaboradores a tarefa de disseminar a cultura de ética no ambiente de trabalho.

Logo, qual seria sua principal responsabilidade na empresa?

Sem dúvida, a principal responsabilidade do Compliance Officer é ser o consultor da alta administração para todo e qualquer assunto.

Então, nada pode ser feito e nenhuma decisão pode ser tomada, sem antes consultar o profissional de compliance.

Assim, o Compliance Officer deve participar de tudo, e de todas as reuniões da alta administração ou do conselho de administradores.

Por isso, no organograma funcional da empresa, o Compliance Officer está hierarquicamente abaixo da alta administração ou do conselho de administradores.

Dessa forma, para demonstrar o grau de importância estratégica que tem o Compliance Officer na empresa.

O perfil do Sou Compliance Officer

Outrossim, ao ocupar uma posição tão importante e estratégica, ele deve reunir características de perfil bem singulares e especiais.

Todavia, como não existe uma profissão regulamentada para atuar na função de Compliance Officer, o profissional deve ter preparo técnico (hard skill) e qualidades pessoais (soft skill) peculiares.

Com o intuito de possibilitar o exercício desta função de forma adequada, então deve primar:

  1. Por Valores éticos e de integridade, demonstrados através de sua conduta e atitudes;
  2. Compreensão da cultura da Empresa, seu contexto e as atividades;
  3. Conhecimento do ambiente regulatório e de seus impactos na Empresa;
  4. Capacidade de formar parceria com as diversas áreas da Empresa, mantendo sua independência – Diplomacia;
  5. Facilidade de comunicação e argumentação com todos os níveis da Empresa e órgãos reguladores, autorreguladores e fiscalizadores, auditorias e entidades de representação – Comunicador;
  6. Disponibilidade e acessibilidade para esclarecer dúvidas e tratar questões dos diversos níveis da Empresa – Empatia;
  7. Capacidade de lidar com pressão – Resiliência;
  8. Análise crítica e atenção às oportunidades de melhorias nos processos internos;

Enfim, este profissional deve ter um perfil proativo sendo rápido e perspicaz na identificação e resolução dos riscos, como também na sua prevenção.

As atribuições do Sou Compliance Officer

A princípio, o Compliance Officer é responsável em dar suporte ao Conselho de Administração e à Alta Administração, no gerenciamento dos riscos de Compliance.

Assim, nem todas as atribuições das tarefas de Compliance precisam ser obrigatoriamente realizadas pelo Compliance Officer.

De modo que, ele deve ser capaz de delegar e supervisionar se todas as atribuições estão sendo adequadamente atendidas.

Uma vez, que ele é o responsável por um Programa de Compliance efetivo. Por conseguinte, suas as atribuições são:

  1. Consultoria, Orientação, Treinamento e Capacitação;
  2. Identificação, Classificação, e Priorização de riscos de compliance;
  3. Monitoramento, Auditoria, Teste e Reporte;
  4. Bem como, o relacionamento com Reguladores, Autorreguladores, Entidades de Representação e Auditores Independentes.

Assim, dentro destas atribuições há muitas tarefas a serem desenvolvidas para que o objetivo da efetividade em um Programa de Compliance seja garantido.

Os desafios da carreira

A carreira de Compliance Officer está em plena acessão no Brasil, e sua função é implantar e gerenciar um Programa de Compliance nas Empresas.

Ademais, o mais desafiador é garantir a conduta íntegra dos colaboradores desta Empresa.

Visto que, no Brasil por ser uma profissão recente ainda enfrenta as dificuldades de desenvolver a consciência ética e íntegra do empresariado.

Enfim, ser o conselheiro do empresário com dificuldade em adotar uma postura ética e íntegra, não é uma tarefa fácil.

Nesse contexto, o risco reputacional é preocupação constante de agentes reguladores, autorreguladores, Compliance e das Empresas.

Portanto, o desafio é vencer o relacionamento promíscuo do empresariado e seus colaboradores com o poder público, e evoluir para compreender uma nova cultura organizacional.

Assim sendo consolidar uma consciência firme em relação aos padrões éticos e íntegros nas Empresas.

Conclusão

A mudança não é fácil para qualquer indivíduo, e ainda promover toda uma mudança cultural na organização é mais difícil ainda.

Contudo, esta mudança organizacional pode significar a sobrevivência de uma empresa e a manutenção de muitos empregos.

Ou seja, o sustento de muitas famílias, de modo, que a construção de uma empresa confiável e integra passa a ser interesse de todos.

Então, do mais alto executivo ou faxineiro, todos devem se empenhar na construção de uma reputação integra, e no fortalecimento da imagem empresarial.

Sendo assim, o empresário deve compreender que a sua empresa, antes de ser “sua” é um bem social, de todos aqueles que nela trabalha, e que dela depende para sobreviver.

Desse modo, com o passar do tempo, a empresa cresce e torna-se de fundamental importância para toda a sociedade.

Enfim, a simbiose entre empresa, seus colaboradores, sociedade e economia se estabelece de tal modo, que a empresa deixa de ser um bem do empresário e passa a ter um bem público.

Portanto, entre perfil, atribuições, desafios da carreira de Compliance, ainda há que ser exemplo de integridade, e ter que carregar o peso da responsabilidade social.

Curta este post, compartilha com os amigos, acompanhe no Instagram @alinefonsecaadvocacia, se  inscreva aqui no Blog e receba novos conteúdos semanalmente.

Ops! Se você é de Aracaju, não esquece que as inscrições para o Worshop: Sou Compliance Officer em Aracaju já estão abertas, e as vagas são limitadas.

Deixe uma resposta