Agronegócio e cultura organizacional

Agronegócio e cultura organizacional. A cultura organizacional de integridade é fundamental para sucesso de empresas do agronegócio.

Não só do agronegócio, mas de qualquer empresa, de qualquer ramo de atividade.

Então, você sabe construir ou atualizar a cultura organizacional do seu agronegócio para a integridade?

De modo, que uma cultura organizacional de integridade é fundamental para o sucesso do seu agronegócio.

Assim, hoje vamos demonstrar a importância da cultura organizacional.

Bem como, apresentar a cultura organizacional das 3 (tops) empresas do agronegócio de 2020.

Nesse viés será abordado:

  1. Cultura organizacional;
  2. Identidade empresarial de sucesso;
  3. Agronegócio e cultura organizacional das 3 (tops) do ano de 2020;
  4. Plano de negócio estratégico;
  5. Por que empresas fecham?
  6. Administração estratégica;
  7. Benefício de controlar riscos regulatórios e operacionais;

A cultura organizacional

Afinal, o que é a cultura organizacional de uma empresa?

Em suma, é o conjunto de princípios éticos da empresa, que traduz o comportamento da sua liderança, e assim molda a personalidade corporativa dela.

Enfim, cultura é comportamento, e cultura organizacional é o comportamento da empresa frente aos seus dilemas diários.

De modo, que é fundamental imprimir a personalidade do fundador na cultura organizacional.

Ainda, aliar a personalidade do fundador a valores de integridade.

Pois, tais valores são exigências cada vez maiores do mercado consumidor.

Principalmente do mercado consumidor internacional.

Além, disso uma cultura organizacional de integridade pode:

1. Moldar o funcionamento e lucratividade do agronegócio;

2. Treinar o comportamento dos colaboradores aos objetivos do seu agronegócio;

3. Aperfeiçoar a administração estratégica do seu agronegócio.

De nada adianta, ter a melhor tecnologia, o melhor maquinário, e os funcionários mais capacitados, se eles não trabalham para alcançar os objetivos do agronegócio.

Se eles não sabem qual é a cultura organizacional e o plano de negócio do local onde trabalham.


Identidade empresarial de sucesso

A identidade empresarial nada mais é que a personalidade do fundador impressa na cultura organizacional do negócio.

Contudo, para construir uma identidade empresarial de sucesso é fundamental incluir a ética entre os valores da empresa.

Então, adotar uma metodologia de definição da identidade empresarial, conforme, empresas do agronegócio de sucesso fazem representa total diferença.

Assim, as 3 tops empresas do agronegócio de 2020: Cargill; Bunge e ADM possuem um padrão de identidade empresarial desconhecido no Brasil.

Trata-se de uma metodologia desenvolvida na Universidade de Harvard, pelo maior consultor especialista em gestão de negócios, liderança e sustentabilidade, o americano Jim Collins.

Portanto, os conceitos de missão, visão e valores conhecida por todos até então, está ultrapassada, esqueça.

Até mesmo, porque tais conceitos foram banalizados e utilizados sem qualquer proveito objetivo para as empresas.

Dessa forma, o segredo do sucesso da Cargill, Bunge e ADM, bem como da Google, Coca-cola, HP, Disney, Amazon está na sua identidade empresarial.

Essas empresas têm ideologia, propósito, visão e valores que constituem sua identidade empresarial.

Sendo, o grande segredo de se perpetuarem ao longo de tantos anos.


Agronegócio e cultura organizacional das 3 tops do ano de 2020

A princípio, vale ressaltar a identidade empresarial das 3 (tops) empresas do agronegócio de 2020.

Assim, a Cargill em primeiro, a ADM em segundo e a Bunge em terceiro no ranking das maiores empresas do agronegócio.

Pela revista Forbes, Exame e Globo Rural com base nos resultados de suas operações em 2020.

A Cargill:

1. Ideologia: nutrir o mundo de forma segura, responsável e sustentável.

2. Propósito: ajudar os produtores a prosperar, conectar mercados e oferecer os produtos certos aos consumidores.

3. Visão: construir um futuro mais forte e sustentável para a agricultura.

4. Valores:

  1. Cumprimos a lei.
  2. Conduzimos nosso negócio com integridade.
  3. Mantemos registros precisos e honestos.
  4. Honramos as obrigações de nosso negócio.
  5. Tratamos as pessoas com dignidade e respeito.
  6. Protegemos as informações, os ativos e os interesses da Cargill.
  7. Estamos comprometidos com uma cidadania global responsável.

Já a ADM:

1. Propósito: conectar as colheitas aos lares, transformando grãos em produtos que atendem a necessidades vitais de alimentos e energia.

2. Visão: cumprir os compromissos da ADM e manter os mais altos padrões de integridade e conduta ética nos negócios.

3. Valores:

  1. Seja íntegro;
  2. Demonstre respeito
  3. Atinja a excelência
  4. Seja versátil
  5. Trabalhe em equipe
  6. Assuma a responsabilidade

Por fim, a Bunge:

Propósito: Trabalhar segundo os mais altos padrões de ética e integridade, independentemente de onde operamos é fundamental para nossa reputação.

Visão: conectar agricultores e consumidores para garantir que os alimentos e produtos alimentares sejam transportados com segurança e eficiência de onde são cultivados até o local de sua necessidade.

Valores:

  1. Integridade
  2. Trabalho em equipe
  3. Cidadania
  4. Empreendedorismo
  5. Abertura e confiança

Plano de negócio estratégico

Primeiro, o Plano de Negócio é o estudo e pesquisa preliminar da viabilidade de uma ideia de negócio.

Em suma, reúne os dados de aprofundamento em torno da possibilidade de implementação da ideia de negócio, e seu respectivo mercado.

Já o Planejamento estratégico reúne as informações necessárias para tornar a ideia de negócio viável.

De modo, a estabelecer o caminho, as ações, metas e objetivos necessários para a ideia de negócio se concretizar em um determinado espaço de tempo.

Enfim, na prática, a diferenciação pouco importa.

Pois, quem busca o plano de negócio também tem interesse no planejamento estratégico.

Assim, ambos estão íntimos e um complementa o outro.

De todo modo, a partir de agora, vamos usar o termo Plano de Negócio Estratégico.

A elaboração de um Plano de Negócio Estratégico não é um trabalho fácil.

Já que exige tempo, paciência, muita pesquisa e dedicação.

Contudo, vital para a sobrevivência de toda e qualquer empresa.

Em suma, observe atentamente a essas três dicas úteis para elaborar o Plano de Negócio Estratégico:

Dica #1: reunir os colaboradores para apresentarem os aspectos internos capazes de influenciar no futuro da empresa.

Dica #2: instituir premiações às metas e objetivos secundários para incentivar o engajamento da equipe na busca do objetivo maior.

Por fim, a dica #3: o ideal é que o Plano de Negócio Estratégico seja elaborado diretamente pelo empresário.

Pois, somente ele pode ter insights estratégicos que fazem total diferença na sua empresa.


Por que empresas fecham?

Em síntese, o Sebrae – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas apontou os motivos que levam 23% das empresas a fecharem, nos dois primeiros anos de atividades.

Porque as empresas fecham?

Qual sua causa mortis?

Há três motivos os empreendedores ao abrir uma empresa:

1. 55% não fazem o Planejamento Estratégico Prévio, o que demonstra que não têm informações a respeito do mercado;

2. 58% não sabem a respeito de gestão empresarial, portanto, não conheciam ou não tinham experiência no ramo de atividade escolhida e;

3. Não tinham o Comportamento Empreendedor, de modo, que faltou proatividade, busca de informações e persistência para sobreviver.

Portanto, um plano de negócio estratégico faz total diferença, entre sobreviver ou morrer no mundo dos negócios.


Administração estratégica

Ademais, uma administração estratégica baseada nos princípios do planejamento estratégico:

1. A gestão estratégica de mercado, ambiente externo e interno da empresa relacionando-se entre si;

2. Estar atento para antecipar, adaptar, criar mudanças no ambiente interno que atenda às necessidades do ambiente externo;

3. Busca incansável das oportunidades de negócios;

4. Estar atento para as oportunidades que surgem tanto no ambiente interno quanto externo, para atender às necessidades do mercado consumidor;

5. Prevenir e controlar riscos antes que se materializem por completo;

6. A influência do futuro nas decisões atuais para que se consiga alcançar os objetivos.

Portanto, é muito mais a forma como se antecipa ao futuro do que adaptar-se a ele.

Dessa maneira, que todos esses princípios são ações da equipe da empresa, e não só do seu fundador.

Aliás, o fundador sozinho não consegue fazer tudo.

Assim, cabe ao fundador ter noção dos princípios do planejamento estratégico para conseguir delegar tarefas, administrar e acompanhar a evolução da empresa.

Por fim, administrar e planejar estrategicamente é imprescindível para o futuro de qualquer empresa.


Benefício de controlar riscos regulatórios e operacionais

Os riscos regulatórios são eventos negativos que surgem por não atender as leis e regulamentos típicos da empresa.

Já, riscos operacionais são eventos negativos que surgem das falhas humanas, equipamentos e controles internos.

Portanto, são riscos que surgem da má administração.

Dessa maneira, que conhecer antes (prevenção) e controlar sua ocorrência, além de demostrar uma administração estratégica.

Também, influencia decisivamente na sobrevivência da empresa.

Para diminuir ou até mesmo acabar com os riscos regulatórios e operacionais.

Bem como, a prevenção impacta positivamente no financeiro da empresa, de modo, a evitar o desperdício.

Ainda, se adaptar rápido as mudanças provocadas demandas desconhecidas, como a pandemia.

Quantas empresas vocês conhecem que fecharam as portas em decorrência da pandemia?

Qual o único país que tinha seguro em caso de pandemia?

Vale a pena conferir o post: “A ciência previu a pandemia, mas ninguém ouviu”, da revista questão de ciência.

Ainda, a reportagem da CNN Brasil: “Médico que descobriu o ebola alerta para vírus mortais que ainda estão por vir”, do cientista que descobriu o Ebola.

Por fim, a pergunta é: Como adaptar o agronegócio, ou qualquer outra empresa, os riscos?

Seja o risco regulatório, operacional, climático, patógenos, entre outros.

Enfim, a resposta é simples: adotando uma administração estratégica, a qual previna com planos emergenciais de contingência.


Agronegócio e cultura organizacional

Uma identidade empresarial bem definida capaz de refletir uma cultura organizacional de integridade deve ser um tópico do plano de negócio estratégico.

As três grandes empresas do agronegócio de 2020 possuem um modelo de identidade empresarial que demostra sua cultura organizacional de integridade.

De modo, que servem de modelo para as demais empresas do agronegócio.

Enfim, importante frisar que aliado ao plano de negócio estratégico, o agronegócio e as demais empresas em geral, adotem uma administração estratégica.

Bem como, a prevenção dos riscos, em especial os regulatórios e operacionais, sob controle.

Assim, o agronegócio brasileiro não só se moderniza conforme as tendencias mundiais de administração.

Mas também, constrói uma boa imagem e reputação, as quais devem ser disseminadas entre cada colaborador.

Em suma, cultura organizacional de integridade garante uma boa imagem e reputação as empresas do agronegócio.

Por sua vez, tal reputação assegura clientes, parceiros de negócios e investidores, de modo, que constitui vantagem competitiva.

E você, o que acha sobre a mudança de cultura organizacional no Agronegócio?

Que tal promover uma mudança na sua cultura organizacional?

Atenção: post exclusivamente informativo e não responsabilizamos por atos e interpretação de terceiros.

Curta este post, compartilha com os amigos, acompanhe no Instagram @aline_fonseca_adv, se  inscreva aqui no Blog e receba novos conteúdos semanalmente.

Enfim, pratique o hábito da integridade em seus negócios sendo compliance!

Deixe uma resposta